ÁREA DE SOCIEDADE E CULTURA



COMPORTAMENTO



TEXTOS SOBRE RACISMO E PRECONCEITO

- RACISMO E ANTI-SEMITISMO:

  • Racismo como forma de planejamento social - O Anti-semitismo durante o nazismo alemão - de Zygmunt Bauman: "Nessa concepção de engenharia social como obra cientificamente fundada com vistas à instituição de uma nova e melhor ordem (obra que necessariamente implica a contenção ou, de preferência, a eliminação de quaisquer fatores de ruptura), o racismo refletia de fato a visão de mundo e a prática da modernidade. E isso pelo menos em dois aspectos vitais." (Do Livro: "Modernidade e Holocausto", Zygmunt Bauman, Jorge Zahar Editor, 1989, pág. 88-95)

  • Genocídio Adicional - O Anti-semitismo durante o nazismo alemão - De Zygmunt Bauman: "Como tudo o mais que se faça à maneira moderna - racional, planejada, cientificamente fundamentada, especializada, eficientemente coordenada e executada - o Holocausto superou e esmagou todos os seus supostos equivalentes pré-modernos, expondo-os comparativamente como primitivos, perdulários e ineficientes. Como tudo o mais na nossa sociedade moderna, o Holocausto foi um empreendimento em todos os aspectos superior, se medido pelos padrões que esta sociedade pregou e institucionalizou." (Do Livro: "Modernidade e Holocausto", Zygmunt Bauman, Jorge Zahar Editor, 1989, pág. 88-95)

- OS LATINO AMERICANOS NOS ESTADOS UNIDOS:

  • OS ESTADOS UNIDOS ESTÃO SE LATINIZANDO? - "Fusão. Miscigenação. Devoração. Esses termos que definem tão bem o "Manifesto Antropofágico" (1928) do modernista brasileiro Oswald de Andrade foram um anúncio premonitório do fenômeno de proporções inéditas por que tem passado a sociedade americana nas últimas décadas: a latinização. É o que defende o linguista mexicano Ilan Stavans, professor na Universidade Amherst, em Massachusetts." Tal visão pode ser chamada de CULTURALISTA.

    "A crítica mais consistente aos limites da expansão do spanglish e à própria "mestizaje" vem do professor de história da Universidade do Estado de Nova York, Mike Davis. Marxista de formação, Davis tem uma visão orgânica da chamada "latinização dos EUA" que o opõe em vários aspectos ao culturalismo de Ilan Stavans. Para Davis, há questões de fundo econômico e social que simplesmente banem a maior parte dos hispânicos dos benefícios da sociedade americana." (No Jornal "Folha de São Paulo", 20 de maio de 2001)

- MÚSICAS SOBRE RACISMO:

  • Letras de Música sobre racismo - Três músicas que abordam a questão do racismo: "Black or White", de Michael Jackson ; "Americanos", de Caetano Veloso e "Haiti", de Caetano Veloso e Gilberto Gil

- FILMES QUE ABORDAM A QUESTÃO DO RACISMO:

  • Olhos Azuis - Documentário / Alemanha/EUA, 1996 - Direção: Bertram Verhaag: "Olhos Azuis" é um documentário frio sobre um tema fervente: os workshops sobre racismo desenvolvidos pela norte-americana Jane Elliott."

- RACISMO E PRECONCEITO CONTRA IMIGRANTES NA ARGENTINA - Jornal "Folha de São Paulo, 21 de fevereiro de 2000:

  • Xenofobia aumenta na Argentina - reportagem de Vanessa Adachi: "Conhecida como a mais européia das nações latino-americanas, a Argentina despertou para o xenofobismo, um sentimento latente nos países do velho continente. Ultimamente tem crescido a rejeição dos argentinos a imigrantes de países vizinhos, hoje o maior grupo estrangeiro no país."

  • Argentino quer se sentir um europeu - entrevista feita por Vanessa Adachi: "Para o especialista em migrações Lelio Marmora, a crise econômica é a razão para o aumento da xenofobia na Argentina. O aumento da desocupação alimentou os sentimentos de rechaço e xenofobia. Esse é um momento de queda social na Argentina. As classes médias deslocadas para baixo buscam se diferenciar dos outros pobres discriminando-os pela cor ou pela raça", disse Marmora, que ensina sociologia das migrações na Universidade de Buenos Aires e representa a Organização Internacional para as Migrações na região."

  • "Bolsa de Trabalho" reúne imigrantes - reportagem de Vanessa Adachi: "Na esquina das ruas Cobo e Curapaligue, no bairro portenho de Bajo Flores, todos os dias centenas de bolivianos e peruanos se acotovelam para conseguir um emprego. Os imigrantes vão até lá para se oferecer para qualquer um que queira lhes dar um trabalho temporário, o que fez com que a esquina ficasse conhecida como "bolsa de trabalho."

  • Estrangeiros inflam favelas - reportagem de Vanessa Adachi: "O último censo realizado pela prefeitura de Buenos Aires nas favelas da cidade mostrou um crescimento de 15% em sua população nos últimos dois anos. Nos 15 assentamentos precários da cidade vivem hoje 100 mil pessoas."

- GLOBALIZAÇÃO E RACISMO:

  • O eterno sexo frágil - Artigo do sociólogo alemão Robert Kurz onde analisa o papel da mulher na sociedade contemporânea. "... para realmente superar o patriarcado, ele (o movimento feminista) teria de pôr radicalmente em dúvida todo o modo de produção moderno; não no sentido, claro, de uma idealização retrógrada das relações agrárias, mas como exigência de uma forma de organização fundamentalmente diversa das forças produtivas modernas." - Jornal "Folha de São Paulo", 09/01/2000

  • Desemprego e racismo - Elian Alabi Lucci - Do livro: Geografia - "O homem no espaço global", , Ed. Saraiva, São Paulo, 1998, pág.238 e 239: "Na Europa, principalmente, o índice de desemprego atingiu patamares bastante altos. No mundo desenvolvido muitos dos que ficam desempregados não conseguem colocação dentro da mesma qualificação profissional do emprego anterior. Assim boa parte dos trabalhos tradicionalmente realizados pelos imigrantes passa a ser disputada pelas populações de origem local, restringindo ainda mais as opções que sempre estiveram abertas aos que vinham de fora. Tal fato contribui muito para a ampliação dos conflitos sociais entre os imigrantes e as populações nativas."

  • As facetas de um racismo silenciado - Kabengele Munanga (professor da USP): "... é nesse contexto de globalização, que é muito importante, que voltou a se acirrar o preconceito em geral, não só contra o negro.... A situação ocidental, no momento, é de um racismo raivoso; a xenofobia na Europa de hoje é uma coisa impressionante; no entanto, é uma situação em alguns países europeus que os próprios colonizadores criaram. (Do livro: "Raça e diversidade", Lilia Moritz Schwarcz, Edusp, 1996,São Paulo, págs. 220 e 221)

  • Preconceito é maior na Bélgica e na França, afirmam pesquisas - "As pesquisas divulgadas pelo "Le Monde" indicam que a França é o país em que há o maior número de racistas declarados (38%) depois da Bélgica (45%). A Alemanha fica em terceiro lugar (23%), seguida do Reino Unido (22%), da Itália (21%) e da Espanha (13%)." (Jornal "Folha de São Paulo" 06/07/1998)

  • Racismo é impasse europeu, diz Fifa - Alcino Leite Neto : "O racismo tem a ver com as mudanças por que estão passando os Estados nacionais, o recrudescimento das identidades locais diante da mundialização, as ondas migratórias e a exportação de jogadores dos países periféricos para a Europa - outro tema discutido." (Jornal "Folha de São Paulo" 06/07/1998) .

  • Por quê o racismo está de volta? - João Baptista Jorge Pereira - Do livro: "Raça e diversidade", Lilia Moritz Schwarcz, Edusp, 1996,São Paulo, pág. 17-27.

- RACISMO E PRECONCEITO NO BRASIL:

  • "Terra Nostra" só para os italianos - Sobre a Novela da Globo levada ao ar em 1999 - A autora denuncia uma imagem depreciativa do negro passada por esta novela: "Considerando que os personagens negros não têm relevância na trama, a sua presença e a imagem negativa que veiculam prestam-se unicamente a ratificar a suposta superioridade do branco" - Jornal "Folha de São Paulo", 27/12/1999

  • A face dissimulada do preconceito no Brasil - Michael Kepp: "O mito da harmonia pluralista, em disfarçar as tensões sociais, também permite que se prolifere aqui um outro tipo de preconceito, bem camuflado. Esse preconceito dissimulado aparece, muitas vezes, na tentativa condescendente de elogiar para compensar a desvantagem de um grupo marginalizado. Essa tentativa, entretanto, nunca alcança a finalidade compensatória. Os brasileiros, especialmente os brancos que estabelecem a norma social, desenvolveram uma prática singular de preconceito dissimulado." (Jornal "Folha de São Paulo", 25/08/1996).

  • Estranhamento conduz "racismo cordial" - Situação brasileira resulta de estrutura social racista, em que ninguém é preconceituoso mas a sociedade o é - Marcelo Coelho: "Talvez esteja aí um dos horrores do "racismo cordial: o preconceito se exprime sempre que alguém diz não ter preconceito. Dizer que "no Brasil não existe racismo é verdadeiro até certo ponto (não há bancos na praça separados para brancos e negros, como havia no sul dos Estados Unidos) e enganador em última análise." (Jornal "Folha de São Paulo", 28/06/1995).

  • Ataque dos carecas - Tulio Kahn : reflexão sobre o racismo no Brasil a partir do episódio do assassinato do adestrador de cães Edson Neris da Silva na praça da República (cidade de São Paulo) por um grupo dos chamados "Carecas do ABC". Fato acontecido na primeira quinzena de fevereiro do ano 2000 - "O perigo que a existência de gangues juvenis como carecas e skinheads nos coloca não está tanto nas ações episódicas de violência contra minorias que realizam, mas no fato de que elas tocam em temas e questões mal resolvidas em nossa sociedade, ocultadas pela falácia da democracia racial brasileira." (Jornal "Folha de São Paulo, 14/02/2000)

  • Especificidade do Racismo brasileiro - De Lilia Mortz Schwarcz / No texto: "Nem preto, nem branco, muito pelo contrário, cor e raça na Intimidade" (Brasil) (No Livro "História da vida Privada no Brasil", org. Fernando Novais, pág. 177-184, Cia de Letras, 1998, São Paulo): "Tudo isso indica que estamos diante de um tipo particular de racismo, um racismo silencioso e sem cara que se esconde por trás de uma suposta garantia da universalidade e da igualdade das leis, e que lança para o terreno do privado o jogo da discriminação. Com efeito, em uma sociedade marcada historicamente pela desigualdade, pelo paternalismo das relações e pelo clientelismo, o racismo só se afirma na intimidade. É da ordem do privado, pois não se regula pela lei, não se afirma publicamente."

  • Lei brasileira contra o racismo x realidade social - De Lilia Mortz Schwarcz / No texto: "Nem preto, nem branco, muito pelo contrário, cor e raça na Intimidade" (Brasil) (No Livro "História da vida Privada no Brasil", org. Fernando Novais, pág. 177-184, Cia de Letras, 1998, São Paulo): "... racismo no Brasil é passível de punição apenas quando reconhecido publicamente. Hotéis, bares e restaurantes, clubes, ônibus e trens, elevadores... são locais de grande circulação, e neles a discriminação é condenável. Não existem referências, porém, à possibilidade de a pena ser aplicada quando algum abuso desse tipo ocorrer por exemplo, no interior do lar ou em locais de maior intimidade. Para esses casos, mais uma vez, o texto (da lei) silencia."

  • LEI Nº 7.716, DE 05 DE JANEIRO DE 1989 (na íntegra) - Define os Crimes Resultantes de Preconceitos de Raça ou de Cor - promulgda pelo então presidente José Sarney / Publicada no D.O de 06 de janeiro de 1989 .

  • A face dissimulada do preconceito no Brasil - Mito da harmonia pluralista no Brasil esconde intolerância social - Michael Kepp (Folha de São Paulo, 25 de agosto de 1996).

  • Uma genealogia das imagens do racismo - Discursos sobre o negro serviram à dominação e à exclusão social - Muniz Sodré (Folha de São Paulo, 19 de março de 1995).

  • Regionalismo e preconceito contra o nordestino - Demétrio Magnoli (Do livro: Identidade Nacional em debate, vários autores, Ed. Moderna, pág. 119-125).

  • Violência Policial e negros na cidade de São Paulo (pesquisa) - negros são mais abordados e agredidos - Jornal "Folha de São Paulo", domingo, 6 de abril de 1997.

  • Sobre a mestiçagem no Brasil - Darcy Ribeiro / Ano 1997 – Fonte: Estação Ciência (Internet)

  • Escritor americano participa de debate sobre discriminação - O escritor norte-americano Anthony Marx critica a falta de debate racial no Brasil. (Jornal "Folha de São Paulo", 21 de março de 1998)

  • Visões do Negro - de Marilene Filinto - Critica a Sociologia Brasileira quando fala em "problemática negra" e elogia Gilberto Freyre tão criticado pelos intelectuais brasileiros: "Gilberto Freyre estava coberto de razão ao ressaltar, na formação da sociedade brasileira, o elemento anti-racista, a despeito da enorme carga de preconceito que as elites brancas arrastam pela história do mundo.De resto, a obra de Freyre é vítima de uma tendência generalizada —de acadêmicos e não acadêmicos brasileiros— de avaliar as relações raciais no Brasil de hoje como se aqui fossem os Estados Unidos. Por falta de sensibilidade e informação histórica, por submissão à metrópole cultural, deve ser." (Jornal "Folha de São Paulo", 21 de março de 1998)

  • A Globalização do ressentimento - de Marilene Filinto: "A novidade agora parece ser a globalização da exigência, sua apresentação em bloco num congresso da Organização das Nações Unidas. Considerando que os modelos de cobrança judeu e "afro-americano" não se aplicam a contextos étnicos mais complexos como o brasileiro, ou a fatos históricos perdidos no tempo como a matança dos índios sul-americanos pelos espanhóis (fatos não tão frescos na memória como a Segunda Guerra), o que se vai assistir é, de certo modo, à globalização do ressentimento. (Jornal "Folha de São Paulo", 13 de maio de 2001)

  • A questão do negro - Conjunto de textos do Site http://www.brasil-outros500.org.br com os seguintes textos:

    - 20 de novembro: escravidão, discriminação e formas de resistência
    - Resistência à escravidão
    - Palmares: A República Negra
    - Zumbi, comandante guerreiro
    - Discriminação e desigualdade hoje
    - Organizações de Resistência

- ETNOCENTRISMO E RACISMO:

  • O que é Etnocentrismo -Everardo Rocha (do Livro: "O que é Etnocentrismo", Ed. Brasiliense, 1984, pág. 7-22): "Etnocentrismo é uma visão do mundo onde o nosso próprio grupo é tomado como centro de tudo e todos os outros são pensados e sentidos através dos nossos valores, nossos modelos, nossas definições do que é a existência. No plano intelectual, pode ser visto como a dificuldade de pensarmos a diferença; no plano afetivo, como sentimentos de estranheza, medo, hostilidade, etc."

  • Diário de um extraterreno - de Ruth Rocha - interessante texto para crianças sobre a imagem dos homens por parte de um extraterreno. Este texto ilustra de forma simples que o outro, o diferente, é visto a partir de minha perspectiva, a partir de meus valores e minha cultura.

  • Exemplos de Etnocentrismo - 4 exemplos colhidos em livros que comprovam que o etnocentrismo é generalizado entre os povos.

  • A questão da raça pura - De Eliane Azevedo (No livro: Raça - conceito e preconceito - Editora Ática, 1990). Texto que comprova que não existe a chamada "raça pura". Todo povo teve algum grau de mistura com outros povos.

  • Dentro e entre tribos: a violência tribal - Alba Zaluar - Alba Zaluar (Do livro: "Da revolta ao crime S. A.", Alba Zaluar, Ed. Moderna, São Paulo, 1996).

  • Tormento dos diferentes em nome da raça - de Lizia Bydlowski: "A Europa descobre, chocada, que praticou a eugenia até bem depois da II Guerra Mundial"

  • A lógica atroz da política imigratória - O debate sobre o racismo na França põe em xeque as noções de esquerda e direita - JACQUES RANCIÈRE: "Pretender dar cabo do problema da imigração por meio de legislações restritivas é querer uma coisa impossível, na prática. Mas esta solução imaginária de um problema informulável suscita um efeito bem real. Todas estas leis, de fato, emprestam figura e consistência ao conceito imponderável de ''imigrante''. E, ao dar consistência à figura do indesejável e provar que elas não triunfam sobre este indesejável, tais leis reforçam duplamente o discurso que diz, primeiro, que há um problema incontornável de estrangeiros indesejáveis e, segundo, que os partidos consensuais do governo são incapazes de resolvê-lo, sendo que apenas os racistas propõem as verdadeiras soluções." (Jornal "Folha de São Paulo", 05/05/97)